A morte da Nara Almeida é uma tristeza do ponto de vista emocional, convida todos nós a refletirmos sob valores, aspirações e sonhos, mas do ponto de vista médico, é completamente diferente da realidade da maioria dos pacientes com câncer.

Não há glamour na luta contra a doença e, infelizmente, a maioria das pessoas ainda fala de câncer com medo. No mundo real, escondemos a maioria dos doentes quando eles são membros de nossa família, tudo isso por mero desconhecimento. Fato é que hoje cerca de 60% dos tumores são completamente curáveis e acredito que, em duas décadas, estejamos perto de 80% de cura com as novas terapias. É preciso falar a respeito disso, sem medo, sem preconceito.

Quando Nara decidiu mostrar fotos em situações do dia a dia, como usar uma sonda nasal para alimentação, mostrar reações cutâneas aos medicamentos, penso que ela prestou um grande serviço à sociedade, mas é preciso ter cuidado pra não glamourizar a própria doença: temos que entender que ali tinha uma paciente num hospital top de linha em São Paulo, cercada pelo melhor cuidado possível. O dia a dia do SUS ainda é o da demora diagnóstica, da filha quilométrica, do quimioterápico em falta e da falta de assistência de terapia intensiva.

O fato é que a maioria dos pacientes com câncer (80-90% tratados pelo SUS) jamais poderiam mostrar pelo Instagram as derrotas diárias impostas pelo Sistema na luta contra a doença. Por estes guerreiros e guerreiras invisíveis, que lutemos sempre por e nos importemos sempre com eles!