O sistema do transporte público de São Luís voltou a ser discutido na Assembleia Legislativa do Maranhão. Desta vez, o deputado estadual Dr. Yglésio (PDT) utilizou o pequeno expediente para tratar do atual momento do sistema de transporte público da capital maranhense. De forma didática, Yglésio ampliou o debate para buscar soluções para os problemas enfrentados.

Hoje, o sistema tem um rombo de mais de R$ 10 milhões de reais por mês. O número de passageiros que pagam em dinheiro diminuiu 21,29% neste ano, no período de janeiro a maio. A diminuição de passageiros que pagam no dinheiro não significa que os passageiros estejam optando por outra forma de pagamento, no caso o Bilhete único (cartão), haja vista que o número de passageiros também está decrescendo ao longo do tempo.

Para o deputado Dr. Yglésio, aumentar a passagem não é solução para diminuir o rombo do sistema. “No modal de transporte rodoviário, hoje, nós temos a concorrência de UBER, Cabify, 99, aplicativos de táxi e ainda mais, a concorrência desleal desses veículos de lotação que não pagam nenhum tipo de tributo e não oferecem nenhuma garantia no quesito segurança”, analisou.

Como alternativa para o sistema, o deputado defendeu estudar subsídio do sistema, reforma estrutural e operacional dos terminais para fazer concessão do uso, redução de linhas e otimizar operação do sistema, economia pode chegar à 12%. Também defendeu a criação de um Fundo para manutenção dos terminais. “Uma sugestão é a criação de um fundo para a manutenção dos terminais, gerado a partir do pagamento do ISS dos aplicativos de transporte. Hoje o ISS é arrecadado lá em São Paulo. Daqui a dois meses, deve começar a ser arrecadado aqui.”, defendeu.

Hoje, o Governo do Maranhão paga o vale transporte em dinheiro. Como sugestão, o deputado defendeu pagar em vale transporte (cartão), conforme determina a lei. “Uma outra solução importante é o Governo do Estado, que paga, hoje, o vale transporte em valor financeiro, transferir aquilo ali, como manda a lei, para o cartão transporte. Isso pode injetar até R$ 2 milhões de reais de faturamento no sistema a partir do momento que for convertido em passagem”, assinalou o deputado.

Por meio da Comissão de Assuntos Municipais e Desenvolvimento Regional, o deputado Dr. Yglésio deve continuar debatendo o tema.