A proposta de privatização do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses foi debatida em reunião conjunta das Comissões de Assuntos Municipais e Desenvolvimento Regional e de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, na tarde desta quarta-feira (22), na Sala das Comissões.

Participaram da reunião os deputados Dr. Yglésio (PDT), Arnaldo Melo (MDB), Wendel Lajes (PMN), Ciro Neto (PP), Rafael Leitoa (PDT) e Hélio Soares (PR).

Como convidados para debater o tema participaram a professora da Faculdade Estácio de Sá, Luane Lemos, advogada especialista em Direito Ambiental, o advogado Diogo de Almeida Viana, especialista em Direito Constitucional, e a analista ambiental do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBIO), Anna Karina.

Inicialmente, os advogados discorreram sobre o arcabouço jurídico que envolve o tema, como, por exemplo, a Lei Federal 9.985/2000 e o Decreto 86.060, que normatizam e regulamentam o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC).

“Juridicamente, o termo adequado é concessão e não privatização, uma vez que não se trata de transferência de propriedade. O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses é de propriedade da União, ou seja, do Estado brasileiro, sob a gestão do ICMBIO. O que está se propondo é a concessão da prestação dos serviços turísticos da área. A gestão do parque continuaria com o ICMBIO”, explicou Diogo Almeida.

Em seguida, a analista ambiental Anna Karina apresentou um histórico sobre o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses e as atribuições do ICMBIO, acrescentando que, de acordo com a proposta em discussão, o ICMBIO continuaria com a gestão do parque, transferindo para a iniciativa privada, por meio do instrumento do contrato de concessão apenas os serviços a serem prestados aos turistas.

“O Parque Nacional dos Lenções Maranhense foi criado em 1981, mas só foi regulamentado em 2000. O ICMBIO é dividido em unidades de conservação, coordenações regionais e centros de pesquisa. A sede nacional dos centros de pesquisa fica em São Luís e trabalhamos com as populações tradicionais que estão dentro do parque”, pontuou.

O deputado Dr. Yglésio, presidente da Comissão de Assuntos Municipais e de Desenvolvimento Regional, esclareceu que o objetivo da reunião era iniciar o debate sobre o Projeto de Lei Ordinária 465/2018, em tramitação no Senado Federal, de autoria do senador Roberto Rocha (PSDB), que dispõe sobre a alteração dos limites do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses.
O deputado Dr. Yglésio considerou a reunião muito produtiva e enfatizou a importância do tema para o contexto do desenvolvimento econômico do Maranhão. “O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses é uma área importantíssima tanto do ponto de vista natural quanto turístico. É um tema muito sensível num momento em que se percebe um desmanche do aparelho de fiscalização do meio ambiente. Há uma clara tendência do atual governo em liberar as reservas naturais para a iniciativa privada. Temos que aprofundar o debate e ter sempre o foco no binômio pessoas e meio ambiente. Esta Casa, portanto, tem que conduzir este debate”.

O presidente da Comissão de Assuntos Municipais e de Desenvolvimento Regional disse ainda que serão realizadas outras reuniões e que, provavelmente, será feita uma visita in loco à comunidade de Travosa, situada dentro do parque e considerada a mais vulnerável.